Saiba tudo sobre o CineSolar!

Rede Social

O Cinesolar, inovadora iniciativa brasileira de cinema itinerante, que exibe filmes a partir da energia solar, estará no mês de outubro em diversas cidades gaúchas. Nas programações em cada cidade, exibições de curta e longas metragens, oficinas de cinema e exposição tecnológica sustentável. A cidade que inaugurou a etapa gaúcha do projeto foi Passo Fundo, no dia 7, sábado. A última delas será Vacaria, no dia 27, sexta-feira. Além dessas cidades, o Cinesolar visitará Gramado (dia 9), Caxias do Sul (dia 10), Igrejinha (dia 11), Nova Hartz (dia 12), Canela (dia 16), Esteio (dia 17), Palmares do Sul (dia 18), Alegrete (dia 20), Santa Maria (dia 21), Santo Ângelo (dia 23), Palmeira das Missões (dia 24) e São Marcos (dia 26).

O projeto é realizado pela Brazucah Produções, Ministério da Cultura e Governo Federal, através da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura. Na maioria das cidades gaúchas do percurso, o projeto tem o patrocínio da RGE, da RGE Sul e da CPFL Renováveis, empresas do grupo CPFL Energia. Em Esteio, o Cinesolar é patrocinado pela Votorantim Cimentos.

O Cinesolar utiliza energia limpa e renovável para exibições de filmes, unindo arte, cinema e sustentabilidade. Tudo funciona a partir de uma van equipada com placas solares que possibilitam, através de um sistema conversor de energia solar para elétrica, a exibição de filmes e apresentações artísticas. No interior do veículo, há 100 assentos para o público, telão com metragem de 200 polegadas, sistema de projeção e som e até um estúdio de gravação. Quando chegam aos locais de exibição tudo é retirado da van e o cinema é montado em lugares como praças públicas e quadras esportivas.

Em cada cidade, no período da manhã ou da tarde, acontece a Oficinema Solar (Oficina de Cinema), evento fechado, voltado a cerca de 30 alunos de escolas da região. Além de participarem de uma introdução ao audiovisual e de desenvolver um roteiro de cinema, durante a oficina esses jovens produzem um curta-metragem, que é exibido à noite, junto com os outros filmes da programação.

Durante as sessões de cinema o público pode visitar também a Eco Estúdio Solar – exposição tecnológica sustentável, com apresentação da van Cinesolar Tupã e do projeto como um todo. Dentro da van, infográficos e monitores mostram como funciona o carro e são passadas informações sobre os princípios básicos da energia solar (por exemplo: como a energia solar se transforma em elétrica). Além disso, são mostrados produtos de sustentabilidade e tecnologias renováveis, com aplicações práticas no dia-a-dia, como um instigante relógio de batatas.

Alegrete

Dia 20 de outubro                                                                                            

Local do evento: Praça Getúlio Vargas, 158. (Em caso de chuva, será no Centro Cultural Adão Ortiz Houayek, à Praça Oswaldo Aranha, s/n, também no Centro.)

Programação

19h40 – Exibições de quatro curtas-metragens infantis, com a temática da sustentabilidade. Serão apresentados “Pajerama” (9min) e “Procura-se” (15min), além de outros dois filmes da mostra “Curtas Brasília”, escolhidos na hora.

20h10 – Exibição do longa-metragem “As Aventuras do Avião Vermelho”

Local da Oficina: Sala de exposições do Museu de Arte de Alegrete – MARA

Horário da Oficina: 14h às 17h

Público da Oficina: alunos da rede municipal

Parceiros locais:Prefeitura, Secretaria de Cultura e Secretaria de Educação

Patrocínio: RGE Sul

Veja as sinopses e fichas dos longas e curtas-metragens

que serão exibidos pelo Cinesolar no Rio Grande do Sul

 

Sobre o “O Palhaço” (drama/comedia/aventura, 2011, 90min, 10 anos)

“O Palhaço” é um filme brasileiro de 2011, dirigido e estrelado por Selton Mello, que também divide a assinatura do texto. É o segundo longa-metragem (90 min) dirigido por Selton Mello (o outro foi “Feliz Natal”, em 2008).  Atuam no filme nomes como Larissa Manoela, Paulo José, Moacyr Franco e Giselle Motta.

O filme foi escolhido entre 15 longas brasileiros para tentar uma vaga na categoria de Melhor Filme Estrangeiro na 85ª edição do Oscar, mas não ficou entre os finalistas.  Mesmo assim, o filme teve uma trajetória de sucesso de público e crítica. Foi vencedor do Grande do Cinema Prêmio Brasileiro. Venceu em mais 11 categorias, incluindo de Melhor Ator Coadjuvante, Paulo José; e de Melhor Ator e de Melhor Diretor (Selton Mello).

Na história, Benjamim (Selton Mello) trabalha no Circo Esperança junto com seu pai, Valdemar (Paulo José). Juntos, formam a dupla de palhaços Pangaré & Puro Sangue e fazem a alegria da plateia. Mas a vida anda sem graça para Benjamin, que passa por uma crise existencial e, assim, volta e meia pensa em abandonar Lola (Giselle Motta), a mulher que cospe fogo, os irmãos Lorotta (Álamo Facó e HossenMinussi), Dona Zaira (TeudaBara), Fabiana Karla (Tonha) e o resto dos amigos da trupe. Seu pai e amigos lamentam o que está acontecendo com o companheiro, mas entendem que ele precisa encontrar seu caminho por conta própria.

 

Sobre o filme “Tudo que aprendemos juntos” (drama/musical, 2005, 1h42min, 14 anos)

Dirigido por Sérgio Machado, com elenco formado por atores como Lázaro Ramos, Fernanda de Freitas e Sandra Corveloni, o longa brasileiro traz da história do violinista Laerte (Lázaro Ramos), que, após não passar em um teste para a OSESP, vai dar aulas em uma favela na periferia de São Paulo. Lá descobre um garoto com talento excepcional e, por meio da música, faz com que ele abandone o tráfico de drogas e dê um novo sentido para sua vida.

Sobre o longa infantil “As Aventuras do Avião Vermelho” (Aventura/Comédia/Animação, 2014, 90min, livre)

A animação nacional é baseada na obra homônima de Érico Veríssimo, publicada em 1936. Traz a história de Fernandinho, um menino de oito anos, que perdeu a mãe há pouco tempo, tornando-se um garoto solitário e ao mesmo tempo hiperativo, e com problemas de relacionamento com o pai (Sérgio Lulkin), a empregada (Zezeh Barbosa), na escola e até mesmo com os vizinhos.  Inferniza a vida dos animais da vizinhança, inventa mil coisas para não se aborrecer e, ainda assim, chega uma hora que fica sem saber o que fazer para passar o tempo.

O menino não tem amigos. Seus únicos companheiros são um boneco de madeira, Chocolate (Lázaro Ramos), e um urso de pelúcia (WandiDoratiotto). Sem saber como lidar com a situação, o pai tenta conquistá-lo com presentes. Nada funciona até que ele dá para o filho um livro de sua infância.

Encantado com a história, Fernandinho decide que precisa de um avião para salvar o Capitão Tormenta – aviador, personagem central do do livro, que está preso no Kamchatka. A bordo do Avião Vermelho e junto com seus brinquedos favoritos, Ursinho e Chocolate, que ganham a vida com sua imaginação, Fernandinho visita lugares inusitados, como a Lua e o fundo do mar, e percorre diferentes lugares, como China, Índia, Rússia e um país da África. Ao longo da jornada, ele descobre o prazer da leitura, a importância de ter amigos e o amor do pai. A direção é de Frederico Pinto e José Maia. No elenco, nomes como Fernando Alves Pinto, Geórgia Reck, João França, Lázaro Ramos, Milton Gonçalves, Pedro Yan, Sérgio Lulkin, Sissi Venturin, WandiDoratiotto e Zezeh Barbosa.

Apart Horta  (Ficção/Documentário, 2015, 55min, livre)

A baiana Nazaré vai a São Paulo pela primeira vez, para visitar seu irmão Natanael, que vive na cidade há oito anos. Natanel tem um estilo de vida voltado ao trabalho. Já Nazaré, vive uma relação saudável com as pessoas, a natureza e a alimentação. Nazaré traz seu axé e cultiva alimentos no apartamento e aos poucos transforma o ambiente da vida de Natanel e do prédio em que ele vive.

Cecilia Engels, diretora e roteirista, paulistana nascida em 1986, é uma buscadora dos temas, com olhares sensíveis para as relações sociais. Estudou cinema na FAAP e especializou-se em direção de cena e roteiro na Schoolof Visual Arts em Nova Iorque. Em 2014 recebeu o prêmio de Roteiro do Instituto Filma Brasil, pelo qual pode realizar o telefilme Apart Horta, sobre agricultura urbana. Através de um crowdfunding, produziu e dirigiu em 2014 o documentário “O Povo Dourado Somos Todos Nós (63min, 2015), com o empreendedor social e ativista da causa indígena Kaka Werá. Como curta-metragista, realizou quatro trabalhos: “Um Par a Outro”, que circulou em mais de 30 festivais pelo mundo e foi premiado como Melhor Direção, Melhor Ator e Melhor Atriz; “Não deixe Joana Só”, que trata do alcoolismo pelo olhar de uma garota de 12 anos; “Meu nome é Bongo, Eu toco Djembe”, documentário sobre um percussionista que faz a vida no metrô de Nova York; e “No Que me Toca”, sobre uma mulher que resgata uma história vivida em outra vida.

 

Sobre o curta “Procura-se” (15min)

Dirigido por Iberê Carvalho, conta a história de Camile, que está determinada a encontrar seu cachorro Bolinha, mas para isso precisará viver a maior aventura da sua vida.

Sobre o curta “Pajerama” (9min)

Na história dirigida por Leandro Cadaval, um índio é pego em uma torrente de experiências estranhas, revelando mistérios de tempo e espaço.

 

 

A van se torna uma sala de aula

 

As Aventuras do Avião Vermelho

 

Cena de Apart Horta

 

Cena de evento do cinesolar – crédito para Israel Barreto

 

Cena do filme O Palhaço

 

Cinesolar em Fartura – vilarejo sem luz elétrica – crédito da foto para Israel Barreto

 

Crianças aprendem a fazer seus próprios filmes – crédito para Danilo Ramos

 

Cynthia Alario – idealizadora e coordenadora do projeto Cinesolar – crédito para Tarsilla Alves

 

Durante o Oficinema – crédito para Danilo Ramos

 

Exemplo de exibição do Cinesolar

 

Linda foto do cinesolar em Fartura – crédito para Israel Barreto

 

O Palhaço – Pangaré e Puro Sangue

 

Público assiste às sessões do Cinesolar – crédito para Danilo Ramos

 

Público assiste às sessões do Cinesolar – crédito para Danilo Ramos

 

Público assiste às sessões do Cinesolar – crédito para Danilo Ramos

 

Tudo o que aprendemos juntos

 

Umas das atividades do Oficinema

 

 

Gontof Comunicação

Jornalista responsável: Airton Gontow (MTB: 18.574)

Telefones: (11) 99109-0688 e 4508-4554

e-mail: redacao@gontof.com.brsite:www.gontof.com.br

Nossos Clientes

Cultura e Arte: Studio Kobra/Eduardo Kobra, Brazucah Produções e JL Goldfarb, Educ (Editora da PUC-SP) e Editora Polar; Comportamento: Site Coroa Metade; Lançamento do livro “Faça-se a Água” (Educ); Eventos: Projeto “Cinesolar” e Projeto “Cine Autorama e 1ª. FliPUC; Bares e Restaurantes: Consulado Mineiro (Praça Benedito Calixto e Cidade Jardim), Mortadela Brasil, Pizzaria Paulino (Pinheiro e Perdizes) e Baião – Cozinha Nordestina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *