Alegrete marca presença na solenidade de Honoris Causa da Unipampa a Pepe Mujica

Rede Social

  O ex-presidente uruguaio José “Pepe” Mujica foi homenageado nesta terça-feira (21) na Universidade Federal do Pampa (Unipampa) em Sant’Ana do Livramento, no Rio Grande do Sul.

Alegrete marcou presença com forte representação política, além de uma excursão organizada pela Confraria da Praça Nova. Marcaram presença os vereadores Paulo Berquó, Anilton Oliveira e Maria do Horto, da Bancada do Partido dos Trabalhadores, assim como o deputado estadual Adão Villaverde. A ex-prefeita Preta Maluzzani também fez questão de prestigiar a solenidade.

O atual senador do país vizinho recebeu o título de Doutor Honoris Causa, em razão dos serviços prestados ao país em causas como educação, direitos humanos e justiça social. A solenidade ocorreu durante a programação do 9º Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão (Siepe).

A Unipampa é a primeira universidade brasileira a conceder a honraria ao ex-presidente. Na América Latina, além do Brasil, outras universidades da Argentina e da República Dominicana já concederam o título a ele.

Mujica foi presidente do Uruguai de 2010 a 2015 e terminou seu mandato com 65% de aprovação, segundo a última pesquisa de dezembro da consultoria Equipos. Ele foi sucedido por Tabaré Vázquez.

Floricultor de profissão, Mujica ficou conhecido pela simplicidade durante o mandato, quando desfilava pelas ruas uruguaias em um fusca. Mas o uruguaio também ganhou notoriedade por ter permitido a união civil entre pessoas do mesmo sexo, além de ter liberado a regulação do cultivo e da venda de maconha pelo estado.

– O ex-presidente uruguaio é uma das maiores lideranças da Améria Latina. Colocou o Uruguai no centro das discussões mundiais, disse o vereador Paulo Berquó, ressaltando o que a Diretoria de Assuntos Estratégicos e de Relações Institucionais e Internacionais da Unipampa, descreveu assim em sua justificativa:  “sua visão de mundo coloca em xeque as “deformações do poder que transformaram nossos governantes em semideuses perdulários e insinceros, cercados de aparatos e ostentação, como se estivessem em outra esfera humana”, como afirma o jornalista Ricardo Boechat, no prefácio do livro “Mujica, a Revolução Tranquila”. Tornou-se uma personalidade mundial pela sua capacidade de reflexão sobre valores fundamentais da humanidade: “as pessoas da África, que vivem na extrema miséria são de nossa humanidade. É preciso pensar como espécie. Temos que pensar pelo mundo inteiro”, dando um significado profundo sobre a solidariedade e convivência entre os povos. Em cada discurso proferido, nos mais importantes fóruns mundiais, sobressai uma mensagem cheia de conteúdo, densa em significado político e filosófico”.

Anilton Oliveira, Fernando Marroni, Preta Mulazzani, Adão Villaverde, Maria do Horto, Paulo Berquó e Luiz Dolores

Fotos: Naiane Albuquerque

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *