Projeto de produção de leite ovino e derivados é desenvolvido no IFFar Campus Alegrete

Rede Social
Durante viagem a Portugal, para assinatura do convênio entre o Instituto Federal Farroupilha e o Instituto Politécnico de Bragança, no ano de 2012, o Professor Otacílio Silva da Motta teve a oportunidade de conhecer o sistema de produção dos queijos de Serra da Estrela, feito com leite de ovelha e com denominação de origem controlada, reconhecido mundialmente pela preservação cultural e sabor característico.O professor voltou com a ideia de desenvolver um sistema de produção semelhante no Campus Alegrete, viabilizando a nova alternativa para os produtores da região. Para desenvolver o projeto, contou com o apoio do professor Emmanuel V. de Camargo.
Em 2014, ao participar da Câmara Setorial Ovina, o professor Emmanuel aproximou os interesses institucionais daqueles do governo estadual.  No dia 21 de agosto do mesmo ano, juntamente com a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (SEAPA), no ato representada pelo então Secretário da Agricultura Cláudio Fioreze, e a Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (A.R.C.O.), representada pelo seu presidente Sr. Paulo Afonso Schwab, decidiram firmar protocolo objetivando assegurar o fomento à pecuária ovina leiteira do Rio Grande do Sul, garantindo o melhoramento genético e o aumento da produtividade do rebanho ovino leiteiro com geração de emprego e renda, através da melhoria socioeconômica da cadeia produtiva. Nesse mesmo ano, os dois professores conseguiram incluir no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) a meta de desenvolver a ovinocultura leiteira no Campus Alegrete.
Já no ano de 2015, os professores, mediante disciplina eletiva para o curso de Bacharelado em Zootecnia, ofertaram formação específica em Ovinocultura Leiteira, com 15 alunos inscritos na primeira turma de zootecnistas. “Essa medida foi necessária para capacitar os estudantes para as demais etapas do projeto”, destaca o professor Otacílio.
Buscando a complementação profissional, no ano de 2016, na segunda oferta do componente curricular eletivo, após os estudantes, estagiários e demais colaboradores construírem a plataforma de ordenha na LEPEP de Ovinocultura, foi realizada uma visita técnica ao Parque da Ovelha em Bento Gonçalves/RS e ao campus do IFRS dessa mesma cidade. Na bagagem trouxeram uma ordenhadeira para ovinos, fruto das tratativas realizadas junto ao IFRS – Campus Bento Gonçalves.
No mês de novembro de 2017, após a soma de esforços do Grupo de Pesquisa e Extensão em Ruminantes (GPER), teve início a ordenha das primeiras ovelhas da LEPEP de Ovinocultura das raças Texel e Crioula. Com a coleta do leite ovino, iniciou-se a produção de queijos na LEPEP de Agroindústria do campus. “Ainda pretendemos trazer muitas novidades muito em breve, que irão corroborar com as ações de pesquisa, ensino, extensão e fomento”, afirmam os professores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *