Projeto Leia Mulheres Alegrete

Rede Social

Apesar de o número de leitoras ser maior do que o de leitores (59% das pessoas que leem frequentemente no Brasil são mulheres!), no campo da produção literária essa realidade ainda é brutalmente oposta. Um exemplo simples é a Academia Brasileira de Letras que conta com 40 membros, dentre eles apenas 5 mulheres. O mercado editorial ainda é muito restrito e as mulheres não possuem tanta visibilidade, por isso a importância desse projeto.

Em 2014 a escritora Joanna Walsh decidiu levantar a bandeira feminina no campo da literatura com a campanha #ReadWomen2014, felizmente essa campanha vem se propagando pelo mundo e ajudando jovens leitoras e escritoras. No Brasil a campanha ganhou forma com a iniciativa Leia Mulheres, dirigida por Juliana Gomes, Juliana Leuenroth e Michelle Henriques, que tornaram a ideia mais prática fazendo um clube de leitura dentro do tema.

O Leia Mulheres transformou-se em um convite à leitura de obras escritas por mulheres, sejam elas clássicas ou contemporâneas, nacionais ou estrangeiras. Não tem fins lucrativos e tem cada vez mais visibilidade, sobretudo nas redes sociais, jornais e sites sobre literatura. Os encontros do projeto são sempre mediados por mulheres, mas tanto mulheres quanto homens podem frequentar os encontros para falar sobre o livro da vez, escolhido pelo clube.

Hoje os clubes estão presentes em 69 cidades brasileiras e no Rio Grande do Sul o projeto existe em Alegrete, Porto Alegre, Rio Grande, Gravataí, Pelotas. Em Alegrete, teve início após a Feira do Livro de Alegrete, em 2017, que teve como tema As Mulheres na Literatura, onde Clarissa Xavier, mediadora do clube em Porto Alegre realizou uma roda de conversa sobre o projeto.

Desde agosto do ano passado a bibliotecária Aliriane Almeida e a professora Ana Lúcia Vargas são mediadoras dos encontros públicos, destinados à leitura, discussão, deleite e divulgação da literatura escrita por mulheres, nas mais variadas categorias e gêneros.

O #LeiaMulheresAlegrete, no mês de março, como atividades em homenagem às mulheres, realizou na EMEB Francisco Mafaldo, Polo Educacional do Caverá, sessões de leitura do livro “A bolsa amarela”, de Lygia Bojunga e um encontro de discussão com alunos e alunas do sétimo, oitavo e nono anos e também participou na realização da Quinta Poética, no 23 Pub Bar, evento em homenagem à cantora Elis Regina, em parceria com Sistema Fecomércio SESC, Coletivo Multicultural de Alegrete e Projeto Alegrete: Cidade dos Livros Livres.

Os encontros têm entrada franca acontecem na Biblioteca Municipal Mario Quintana, das 16h às 18h e os livros são escolhidos pelas pessoas que participam, tanto mulheres como homens, dando preferência à livros que já estejam disponíveis online, garantindo o acesso também a quem não pode comprar a obra escolhida.

O próximo encontro acontecerá dia 21 de abril e o livro escolhido será “No seu pescoço”, de Chimamanda Ngozi Adichie. Quem tiver interesse em mais informações pode acessar no Facebook o grupo público #LeiaMulheresAlegreteRS.

Os livros já lidos foram:

1 Quarto de Despejo, de Carolina de Jesus

2 Holocausto brasileiro, de Daniela Arbex

3 Um útero é do tamanho de um punho, de Angélica Freitas

4 Como conversar com um fascista, de Márcia Tiburi

5 A Hora da Estrela, de Clarice Lispector.

6 Outros jeitos de usar a boca, de Rupi Kaur

7 Assassinato no Expresso Oriente, de Agatha Christie

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *