Quarto dia de paralisação de caminhoneiros causa impactos no Rio Grande do Sul

Rede Social

o quarto dia de paralisação de caminhoneiros contra o aumento do diesel, a quinta-feira (24) começou com postos de combustíveis fechados também em Porto Alegre, a exemplo do que já acontecia no interior do estado, alteração no transporte coletivo, impactos no Aeroporto Internacional Salgado Filho e no Porto de Rio Grande. Setores de alimentação e abastecimento de água também começam a sentir os efeitos.

Abaixo, confira os reflexos em cada setor.

Transportes

Ônibus de Porto Alegre operam com horários reduzidos nesta quinta-feira (24) (Foto: Ricardo Giusti/PMPA)Ônibus de Porto Alegre operam com horários reduzidos nesta quinta-feira (24) (Foto: Ricardo Giusti/PMPA)

Ônibus de Porto Alegre operam com horários reduzidos nesta quinta-feira (24) (Foto: Ricardo Giusti/PMPA)

Os ônibus de Porto Alegre funcionam normalmente nos horários de pico e depois operam com tabela reduzida, com viagens de hora em hora, fora deles. A mesma medida foi adotada para empresas que fazem a operação intermunicipal, que adotam tabela de sábado.

No interior do estado, municípios também enfrentam dificuldades. Em Caxias do Sul, na Serra, o transporte coletivo opera com metade da frota de veículos desde o meio-dia desta quinta (24).

A Rodoviária de Porto Alegre informou que, devido às manifestações, alguns horários de ônibus estão sofrendo alterações e orientou os passageiros a procurar os canais de atendimento e as empresas para confirmar as viagens.

O setor alimentício é um dos mais atingidos. Segundo a Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), os estabalecimentos têm estoque médio de segurança de 15 dias nos produtos não perecíveis. A situação mais preocupante é a dos perecíveis, que não são estocados pelos supermercados por seu curto prazo de durabilidade.

A assessoria das Centrais de Abastecimentos do Rio Grande do Sul (Ceasa-RS) informou que o setor atacadista, que traz produtos de fora do estado, foi bastante afetado. Além disso, compradores não estão conseguindo chegar até a capital gaúcha.

A cooperativa Aurora Alimentos alertou que paralisaria suas atividades de produção, pois a capacidade de estoque está exaurida.

O frigorífico Alibem, com unidades em Santa Rosa e Santo Ângelo, na Região Noroeste, cancelou os abates.

No setor automobilístico, a General Motors, montadora de carros da Chevrolet que tem fábrica em Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre, informou, ainda na terça-feira, que as atividades foram interrompidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *