O número certo que a Defesa Civil de Alegrete trabalha até o momento, sobre as enchentes de Alegrete

O número certo que a Defesa Civil de Alegrete trabalha até o momento, sobre as enchentes de Alegrete, são de 858 pessoas assistidas (levantamento da noite passada). O nível do rio estava em 13m às 05h 35 min desta sexta-feira. As famílias desabrigadas estão distribuídas em sete abrigos coletivos. No Ginásio de esportes do Instituto Estadual de Educação Oswaldo Aranha, estão alojadas 33 famílias. Também recebem desabrigados a quadra de Esportes da Escola Eurípedes Brasil Milano, Colégio Emílio Zuñeda, quadra da escola municipal Honório Lemes, parque de exposições Lauro Dornelles, instalações do antigo IRMA, onde estão abrigadas 11 famílias, e Escola Lauro Dornelles que colocou quatro salas à disposição.

Gabinete Especial elabora relatórios dos prejuízos causados pelas cheias

No prédio da Prefeitura, na Praça Getúlio Vargas, junto à Defesa Civil, está funcionando o gabinete Especial encarregado de preparar os relatórios sobre a enchente que serão encaminhados aos Governos do Estado e Federal.

Ao Governo do Estado, via Casa Civil, a solicitação é de ajuda humanitária em forma de cestas básicas, kit de limpeza, kit de higiene pessoal, Kit dormitório, roupas de cama e 200 colchões.

Já o relatório ao Governo Federal, documento padrão, do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres, informa sobre áreas afetadas, o mapa da cidade com os bairros afetados, danos humanos (pessoas desalojadas), danos materiais que são as residências atingidas. O levantamento aponta que 230 habitações tiveram avarias, significando prejuízos de R$ 1. 840.000,00 . No setor de Infraestrutura, envolvendo calçamento de ruas que foram danificados, emboeiramento de ruas, estradas avariadas e pontilhões, o prejuízo calculado chega a R$ 8.520.923,10.

Serão computados nos relatórios os prejuízos na economia do Município. Somente com a soja, que a estimativa é de 13 mil hectares embaixo d’água, o prejuízo chega a R$ 37 milhões. Quando estiver completa toda a documentação, o Estado dará a homologação e somente então é que a União reconhecerá o estado de emergência para que o município esteja habilitado a receber os recursos. Por ordem de prioridade, saúde, estradas e pontilhões, em 30 dias há a liberação dos recursos. Somente após é que é liberado o recurso para a reconstrução das casas. Os relatórios são acompanhados de fotos digitalizadas, com a identificação e problema, conforme informou Vinícius Loureiro, atuando como voluntário na Defesa Civil. Também o diretor de gabinete do Executivo, José Rubens Rosa Pillar, está atuando como colaborador no aspecto técnico, e a secretária de Promoção e Assistência Social, Iara Caferatti.

Compartilhamento:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *